olho-me de ti…


olho-me de ti e percebo a demasiada noite dentro de nós

brilhas para o rio onde nos afogamos nos nossos papeis

nu sou mais corpo quando o teu corpo é mais nu

na dança nua das horas
……………………….. cultiva-se o riso por vezes
……………………….. devora-se a sede muitas outras

…………………………………………………………………….. vertiginosamente

e
no horizonte
……………………….. muitas palavras devoraste

sufocadas
……………………….. escorrem como água dos teus lábios