lábios II


somos canibais capazes de fazer relógios de bolso
os nossos lábios devoram mensagens antigas
somos bombeiros capazes de incendiar a obscuridade no outro lado do olhar
se nos sincronizamos com os mais selvagens

é bem possível que ocupemos o nosso lugar na nave da loucura

foda-se…! será que o outro eu poético se foi?