arte do kaos

a possibilidade de tudo
kao2
os mitos não são lendas para aqueles
que crêem
……………………………………………………………………..

são histórias localizadas no tempo
e
envolvem o sobrenatural

……………………………………………………………………..

……………………………………………………………………..

……………………………………………………………………..

deles irrompe uma realidade – outra

……………………………………………………………………..

o ritual transporta-nos ao mito

é dizer – revivemos através dele o mito
e
através do rito

a natureza é revitalizada e cumpre-se o objecto do ritual
– a busca da perfeição do início

o retorno implicará esse ritual

e

a “recitação” do mito

na superfície neutra do papel uma grafia que nasce do gesto incontrolado da mão
a mão que desenha perante um olhar
que observa e não intervém

há nisto um quê de gnose estética que tem como base o auto-conhecimento

essa grafia desencadeia – pode desencadear – processos transitórios de transe ou o despertar de forças subterradas nos atavismos da espécie

a incorporação da escrita na obra plástica não é novidade – faz parte integrante da história da pintura

uma questão estética

arrisquemos uma leitura alargada
não limitada

– uma caligrafia formal e plástica num contexto simplesmente semântico

arrisquemos a palavra/escrita/dita
enquanto geradora de múltiplas relações de poder

enquanto geradora do desejo

o artista/feiticeiro deverá desenvolver uma grafia capaz de libertar forças escondidas – capaz de jogar com a pluricefalia xamânica

cumprir em pleno o acto de criação tendo presente a dinâmica do caos onde

natureza
criatividade
tempo
e
acaso
são variáveis num quadro perfeitamente determinista

a relação entre
o acaso
o acto criativo
o tempo
e
a natureza

coloca o mago /artista como interveniente num ritual preciso

o qual só será concluído quando alcançada a comunhão entre natureza e projecto criado

esta acção coloca o mago na condição de manipulador de elementos capazes de estruturar a obra  – sigilo

e
ele comporta-se como um soldador de objectos onde o acaso é elemento de fundamental importância

assim os “objectos” alvo da colagem transformam-se em signos/símbolos da acção-desejo

o desejo também de anular o caracter condicionador da linguagem

a obra conseguida é para ser vista/contemplada (pelos olhos)

não para ser lida no sentido convencional – recusa de todos os condicionalismos gerados pelos signos da linguagem

a actuação do artista/mago neste ritual é espontânea

não há limitações ao rito
kao3

o iniciado não obedece a quaisquer liturgias ou a leis ditadas por mestres

só a liberdade poderá gerar o prazer

mas o mago sabe que a natureza é a grande mãe e o caos é a possibilidade de tudo

o mesmo será: TUDO É POSSÍVEL

e
O DESEJO SERÁ CUMPRIDO se O QUE QUISERMOS
FIZERMOS

assim teremos um acto conceptual gerado por um rito

um acto pendular que se poderá resumir da seguinte forma
kao1

abdul affi

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s